sexta-feira, 29 de abril de 2011

Conhece-te a ti mesmo!


No seguimento do post anterior, vou aprofundar aqui um pouco mais, a ideia que lhe está subjacente: "Conhece-te e ti mesmo!" um aforismo cuja origem se perde no tempo, e que esteve na base da filosofia de Sócrates (o verdadeiro porque hoje em dia há imitações de tudo). 

Na Grécia antiga, nas escolas de mistérios, os estudantes eram incentivados a praticar,antes de mais nada, este preceito moral: conhecer-se a si próprio. Esse era o principio de tudo. Infelizmente, depois da queda do império romano  e de, no seguimento disso, a sabedoria antiga ter transitado para o Oriente, pérolas preciosas de ensinamento como esta simplesmente desapareceram da cultura ocidental. 

Na sociedade actual valoriza-se sobretudo a riqueza e a quantidade e qualidade dos bens que se possui, mas não O QUE SE É.

Deste modo, muitos nascem e morrem sem nunca saber quem foram ou o que vieram cá fazer.É triste!

Nas nossas escolas e nas nossas famílias não se ensina os mais novos a DESCOBRIREM-SE e a SEREM QUEM VIERAM PARA SER nesta vida. Em vez disso dá-se-lhes formulas já feitas, um leque curto de opções todas previamente formatadas e esquematizadas para encaixar no modelo social vigente. 

Este é um processo subtil, ao ponto de que, a criança ou adolescente nem se apercebe dele. A páginas tantas dá por si preso a um emprego de que não gosta, a um casamento que o faz sentir-se castrado, a filhos que não estava preparado para ter...e, mais ainda, a uma hipoteca da casa para a vida toda que condiciona tudo o resto.

Nessa altura já foi apanhado na "ratoeira" do Fazer e do Ter em detrimento do SER.

Então perguntamos-lhe quem é e responde coisas como:

- Sou engenheiro
- Sou marido/esposa de fulano(a) tal
- Sou dono da casa X
- Sou filho de fulano e fulana,  etc...

Ora, nada disto descreve quem se é, apenas o que se faz ou o que se tem!

Mas poucos se apercebem disto de forma plenamente consciente.

Conheço até muito boa gente que acha incrível que alguns de nós, eu incluída, invistam tanto em livros de auto-ajuda, desenvolvimento pessoal, filosofia etc.., que frequentem retiros espirituais ou que paguem a psicólogos e astrólogos.

Não é apenas um sinal dos tempos ou uma moda como outra qualquer. Não, é muito mais do que isso. É o ser humano a ir em busca de si próprio. E já que os antigos métodos de ensino filosófico se perderam, usam-se agora os que temos disponíveis.

Não pensem os mais iludidos que "Conhecer-se a si mesmo" não dá trabalho, nem inquietações. Pelo contrário, é preciso coragem, determinação, esforço e muitas vezes, atravessar um mar de dificuldades a que alguns chamam "a noite escura da alma".

Tudo isto para quê? Para nos tornarmos os SERES LIVRES que de facto, em essência, somos, para descobrirmos e exercermos a nossa verdade, para assumirmos o nosso PODER PESSOAL e o comando das nossas vidas, para criarmos EQUILÍBRIO mente-corpo-espírito e, em ultima instância para sermos FELIZES pois esse é o nosso direito inato.

Para terminar, deixo aqui uma citação, a mesma que inspirou este post, do empresário Manuel Forjaz, numa entrevista à revista Gingko:

"O normal seria que cada um de nós, tendo uma fonte interna de diversidade quisesse coisas diferentes. Por que os jovens pensam logo em trabalhar, comprar casa e carro? Por que anda tudo à procura do mesmo? Que viajem, façam vindimas, aprendam línguas, sejam inspiradores e revolucionários!"

Um bom conselho, na minha opinião!
   

Um comentário:

F. Dias disse...

Olá Pink
Estamos em sintonia.
Os filósofos no tempo de Platão juntavam-se para boas conversas. E nós, de vez em quando, vamo-nos encontrando com estas. É bom!
Um abraço